IONE VIA MAGIA HOME.png
VIA DA EDUCAÇÃO.png
como somos .png
COMO TRABALHAMOS.png
HORA LIVRE.png
HORA LIVRE 2.png
HORA DO GRUPO.png

Como Somos

Nossa escola busca o desenvolvimento da criança implícito em sua construção de noções, e não apenas o assimilar do conhecimento social acumulado. O importante é que a criança desenvolva um conhecimento abrangente, crítico, inter-relacionado, significativo; que aprenda a conviver, partilhar problemas e buscar respostas, a relacionar o aprendizado com sua vida, em vez de apenas associá-lo a conteúdos sem sentido para ela.

 

Os livros e textos construídos juntamente com crianças, o estudo multidisciplinar, os jogos corporais e de regra e o convívio aberto de momentos livres têm um papel fundamental nessa metodologia. Caminhamos na via de descobrir o prazer de aprender ler e escrever, de encarar os desafios dos enigmas matemáticos, da essência histórica dos estudos sociais e das ciências.

Enfocamos a visão histórica da construção do conhecimento, a discussão de diferentes pontos de vista, o aprender a questionar, a ouvir e a considerar o outro, a ser flexível. Investimos na possibilidade de crescer lidando com as tensões e pressões inerentes ao aprendizado, expressando sentimentos, desejos, expectativas, medos, alegrias.

Valorizamos o processo próprio da criança, o perguntar e o responder e a sinceridade entre adultos e crianças, o inter-relacionar dimensões e possibilidades do saber de cada um, um ambiente de convívio para pensar, fazer e refazer, criar e recriar.

Trata-se, portanto, de uma visão sistêmica orientada por uma filosofia de educação aberta a processos de transformação e crescimento, tanto para os educandos quanto para os educadores.

Investimos, assim, num ser humano que busca sua felicidade e sua autonomia, que pode ter uma atitude criativa diante do aprendizado, da escola e da comunidade. Acreditamos em uma educação enraizada na direção de um mundo mais amoroso e ético.

VIA DA EDUCAÇÃO.png

1/19
 

Como Pensamos

Nossa escolha foi construir um projeto próprio, a partir de um grupo de ideias, como: aprender a aprender; relacionar áreas de conhecimento, arte e ciência; desenvolver metodologia e proposta pedagógica ao longo do trabalho prático com educandos e educadores; desenvolver uma práxis, acumulando um repertório significativo, que nos movesse ao encontro de dinâmicas criativas de trabalho; considerar as transformações do mundo e da educação, estudando e contribuindo com propostas concretas. Dentro disso, evidenciou-se como

para ampliar

como somos .png

Click nas fotos

fundamental tratar com a diferença, com a busca de soluções específicas para dificuldades que surgem no processo ensino-aprendizagem. Evidentemente essas ideias que passam por sentimentos, valores e expressão, estão associadas a movimentos da educação, como a Escola Ativa, a Arte-Educação, o Construtivismo, a Pedagogia Crítico-Social e também a estudos de Psicanálise. 

Ao longo dos anos, integrando prática e estudo, chegamos, então, ao triângulo de faces inseparáveis: Corpo, Convívio e Linguagem.


Ao pensar Corpo, não estamos nos referindo apenas ao aparato fisiológico, mas a uma construção propriamente humana, simbólica, com sentido e significado, observação e imaginação, memória e ação. Corpo que se faz na história do sujeito, onde desabrocha seu eu imaginário que é suporte de seu eu simbólico. Refere-se a um corpo de sensações, sede de prazer e desprazer, mas também a uma percepção categorizada em modelos ou esquemas, que pressupõe uma inteligência na ação interativa com o ambiente, portanto também ligada a laços afetivos e à linguagem. Corpo feito de ação e imagens mentais, conscientes e inconscientes, ligado concreta e abstratamente a um ou uma semelhante, quer dizer, a outro ser humano. Um corpo impregnado de desejo e medo, lembranças e fantasias, atravessado pela linguagem, que implica, portanto, pulsão e interação, contato e confronto.

Ao pensar Linguagem, não estamos nos referindo apenas à palavra e sua funcionalidade consciente, mas à forma como ela é enunciada, sua cor, seu calor, seu som, suas intenções conhecidas e desconhecidas. Não somente à linguagem das palavras, mas também a do movimento e do gesto; a linguagem das imagens, das formas e das figuras, dos ritmos e das melodias e da articulação entre todos estes significantes. Linguagens e suas possibilidades infinitas de combinações de emissão e recepção, de subjetividade e interdiscursividade, de criação de um campo de conflito e entendimento. Sejam estes campos os das reflexões existenciais ou das discussões científicas, sejam os das expressões artísticas ou das ações e pensamentos cotidianos.

Falamos de Linguagem como algo ligado à ação do corpo, aos jogos sociais, às teorias e suas várias descrições da realidade. Linguagem que faz florescer o convívio, os laços e confrontos afetivos, a imaginação e a representação. Linguagem que possibilita o logos, as narrativas que velam e retiram do velamento o ente sobre o qual se fala, cobrindo-o e des-cobrindo-o.

Ao pensar Convívio, não estamos nos referindo somente ao processo de socializar-se, de apropriar-se do que a cultura organiza e significa para a dinâmica das relações, mas também ao convívio no qual estamos imersos desde o primeiro momento de nossas vidas, sem o qual não sobreviveríamos, não nos faríamos indivíduos nem sujeitos desejantes, seres singulares com capacidade de contribuir socialmente.

Falamos de convívio que se abre horizontal e verticalmente, que requer momentos de contato conosco mesmos, assim como com grupos de mesma idade e/ou interesse próximos, e também com os diversos grupos de interesses diferenciados, em que nos inserimos. Falamos do processo no qual é possível brotar alegria, acolhimento e amorosidade ao mesmo tempo em que sofrimento, confronto e polêmica. Convívio aberto que exige paciência para constantes negociações, que busca abrir mão de critérios ideais de um bem universal e procura se referenciar no encontro possível entre desejos, na diferença. Convívio que pressupõe, portanto, corpo e linguagem, presença e debate, paixão e logos.

Se até então (desde 1984 até hoje) continuamos nos deparando com mudanças necessárias para o fluir da nossa proposta de construção de conhecimentos, é porque
provavelmente nunca chegaremos ao seu fim, quando esta poderia ser considerada completa ou terminada. Ao contrário disso, poderemos até, em algum momento à frente, chegar inesperadamente a uma nova formulação estrutural.

ilustraçao_como_somos.png
 

A dimensão que damos ao trabalho com o binômio arte-ciência na nossa escola pode ser representada pela escolha do sensível e do lúdico, e pela possibilidade de trazer também o científico de uma forma orgânica, adequada ao processo de crescimento da 1ª e 2ª infâncias, quando não há separação possível entre sentimento e pensamento, e da 3ª infância, quando o pensamento precisa de uma referência concreta.


É importante para nós que as crianças possam preparar-se para tomar decisões, aprender a renovar-se e redimensionar a realidade em que vivem, da forma mais equilibrada possível, para poderem contribuir para a transformação social. É importante dar-lhes sempre a oportunidade de sentir, pensar e julgar. Procuramos, por isso, conscientizar-nos de nossa moralidade, implícita em nossa organização, nosso currículo, nosso modo de tratar conteúdos e técnicas, nossa forma de promover relações humanas e produzir conhecimento. Procuramos tratar de forma objetiva, juntamente com as crianças, a dinâmica do convívio escolar e a ética que ela implica.   

Como TRABALHAMOS

Click nas setas para ver mais fotos...

COMO TRABALHAMOS.png
 


educadores também exercitam o cuidar de todas as crianças, independentemente do grupo ao qual ela pertença. É quando os adultos estão posicionados nos diferentes espaços, disponíveis para contribuir com a interação livre entre as crianças.

É o momento do nosso trabalho

em que as crianças se misturam para brincar

livremente, podendo circular pelos espaços, manipular diferentes materiais, sendo acompanhadas pelas educadoras

e educadores, tanto professoras/es como auxiliares. É um exercício de convivência em que elas podem escolher do que brincar, com quem e onde. É quando as educadoras e

Os elementos do espaço e os materiais escolhidos para o dia são o referencial da criança neste momento. O referencial do adulto é o interesse da criança, seu confronto com a realidade dos limites espaço-temporais e sociais, necessários a qualquer fluir, como rio que não corre sem as margens. É função dos adultos cuidar da segurança do livre deslocamento, dos movimentos e desafios dos jogos e brincadeiras, das conversas e trocas de brinquedos.

Na Hora Livre, permitimos e organizamos, juntamente com as crianças, a inclusão de seus

brinquedos e objetos pessoais, que tem resultado em um exercício de fazer e refazer

a ponte casa-escola, de dar um tempo/espaço para a expressão da singularidade

pessoal e ao mesmo tempo um tempo/espaço para a construção de

referências sociais para partilhar, emprestar,

devolver, guardar, trocar.

A Hora Livre, de certa forma, resgata a experiência de brincar do quintal, da calçada e dos momentos de lazer junto à família ampliada, hoje mais dispersa. Trata-se de recuperar essa oportunidade enriquecedora e insubstituível de troca entre os pares; de favorecer a descoberta de afinidades, interesses e buscas comuns entre crianças de diferentes idades; de aprender a conviver, lidar com conflitos e diferenças, construir vínculos.

para ampliar

Click nas FOTOS 

HORA LIVRE

HORA LIVRE.png
HORA LIVRE 2.png

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

 

HORA DO GRUPO

1/3

É o momento em que as crianças de uma mesma ou próxima faixa etária estão juntas com suas professoras ou professores, o momento do adulto propor atividades de observação, experimentação e estudo, procurando respeitar o espaço e o ritmo de cada criança, ao mesmo tempo em que 

As dinâmicas variam e os trabalhos podem ser desenvolvidos individualmente, em duplas, em pequenos grupos ou envolver toda a turma. As propostas podem ser diversificadas e assumir a forma de Oficina. Podem ser desenvolvidas a médio ou longo prazo e assumir a forma de Projeto. Além disso, o adulto pode oferecer à criança uma atividade alternativa àquela que o grupo, como um todo, estiver realizando.

Durante a Hora do Grupo, a organização das crianças maiores em mesas coletivas, (prática comum apenas da Educação Infantil), significa continuar favorecendo a interação entre as crianças, para que possam compartilhar suas produções, ajudar-se umas às outras, para que possam também fazer trabalhos em pares, trios ou quartetos.

Também a conversa com todo o grupo, na Roda, é preservada por nós, no Ensino Fundamental. É um momento diário de encontros de todos, quando se estabelecem acordos e planejam-se estudos e passeios; quando se revisam exercícios; quando se lê, se pode ouvir e comentar diferentes tipos de textos. A Roda é o momento do grupo todo estar junto, em “pé de igualdade” (crianças e adultos sentados no mesmo plano, de modo a todas as pessoas poderem ser visíveis umas às outras) e focado em algo comum, um tempo/espaço que enriquece cada criança, incentivando-a a posicionar-se diante de ideias, informações e situações do coletivo.

para ampliar

Click NAS FOTOS

HORA DO GRUPO.png

considera a combinação peculiar de cada grupo, em seus interesses e questionamentos. São realizadas sondagens (sobre o que cada criança sabe, quais são suas dificuldades, quais são seus interesses com relação a um assunto, uma época ou uma técnica) nas diversas áreas de conhecimento para, somente depois, serem construídos os planejamentos das unidades de trabalho.